Páginas

14 novembro 2016

#Resenha A Garota Italiana – Lucinda Riley


É tão interessante como determinados livros me tocam, o que eles me fazem querer, mas, mais importante, o que eles me despertam. 

A Garota Italiana me fez pela primeira vez desejar ir para Itália, querer aprender italiano, eu nunnnca gostei do idioma, sinceramente, mas assim como o amor de Rosanna e Roberto no livro, não tem muito o que explicar, aconteceu.

O livro conta a estória de Rosanna Menici de 1966 a 1996. De Nápoles – Itália até Londres. Rosanna tem um dom, uma voz singular que desperta emoção e amores em todos que a ouvem. Um talento evidente que sela seu destino.

Mas o que ela canta não é mesmo? Ópera, sim!! Rosanna é um soprano. E cara, eu-me-apaixonei-por-Ópera!!!!!!!!!!!! (Drama Queen) Eu simplesmente fui encantada, ludibriada, enfim... Rosanna me fez ouvir Maria Callas (QUE MULHER), Franco Corelli (MEU DEUS), além dos tenores mais populares Pavarotti, Bocelli, Placido Domingo... ♥ fazer várias pesquisas sobre as origens; assistir a Ópera Madame Buttefly, Carmen, La Boheme e mais uma lista grande guardada, porque não descobri nem a metade; a ter meu compositor favorito, Puccini, e estilo favorito também, o Bel Canto. 

Um parêntese - enquanto eu procurava por Opera no youtube hehe descobri a miniatura da Rosanna, meu Deus, seria p e r f e i t a para o papel se virasse filme - porque o livro começa com ela aos 11 anos - então tudo a ver, o nome dela é Laura Bretan (13 anos) e está ou estava participando do America's Got Talent, olha a primeira audição da menina:

MARAVILHOSA

Nem só de Ópera o livro é feito, tem histórias lindas de amizade e amor, erros, muitos erros desses seres humanos, enganos e muitas revelações. 

Gostaria de chamar atenção aqui para o irmão de Rosanna, Luca, que a ama e incentiva, tanto a ela como sua outra irmã, extremamente linda, porém inconsequente, Carlotta. Ele tem um papel principal na vida da piccollina (como a chama). Ele assume o sonho de Rosanna como sendo o seu, e luta com ela para alcançá-lo, e é lindo. 

Voltando à Opera: é um universo imenso. O mais engraçado é que quando estou ouvindo e alguém aparece sempre perguntam de olhos arregalados me olhando estranho “o que é isso hein menina?”, resultado: só no fone de ouvido mesmo, mas ainda pior é eu tentando cantar (RISOS). 

Foi algo tão natural, nunca imaginei que pudesse me afeiçoar a esse tipo de arte. Ahhh pesquisei os teatros onde ocorrem as apresentações, Met de NYC, Opera House em Londres e outros. Se liga nesse teatro!!!!!! Depois dessa imagem foi bem mais emocionante imaginar Rosanna se apresentando e ficar louca pra ir à Londres – o que sempre fui.

Royal  Opera House - Covent Garden/London 

Não conhecia essa autora, e apesar de ter feito uma lista dos livros que quero ler dela, sinto um estalo sofrível de que não verei os mesmos personagens (drama).

Bom, quando o livro termina fica aquele doce amargo, que percorreu uma parte do enredo, então vem aquela vontade de ser a dona da história e mudar algumas coisas, mas olha, pensando bem, não, a vida é assim também... Nada é perfeito né, só Nutella.

P.SNão gosto de entrar muito em detalhes da história, já falei muito isso, nem leio a sinopse, que estraga muito a experiência. mas digo que vale muito a pena, uma bela história

29 outubro 2016

Quem é você?



Quando você me olha, o que vê? 
Até que ponto as pessoas que você conhece são confiáveis?
Perderia sua sanidade? 
Você perde a calma?  


Essa é a sua verdadeira face?
Ou é o que você quer enxergar?
O que realmente você pensa?
E quando eu ferir você?


Eu sei que você não diz o que pensa.
Conheço suas habilidades em mentir.
Ahhhhhhhhh o que você esconde? 


Eu já vi o que você deseja.
Ohhh eu sei que aquelas pessoas mereceram .
Eu sei que finge.
Heé só um pequeno lado seu.


"O que faz  gente aparentemente normal começar a matar e não parar mais? O que move – e o que pode deter – assassinos em série como Ed Gein, o psicopata americano que inspirou os mais célebres maníacos do cinema, como Norman Bates (Psicose, de Alfred Hitchcok), Leatherface (O Massacre da Serra Elétrica, de Tobe Hooper) e Hannibal Lecter (O Silêncio dos Inocentes, de Jonathan Demme). Como explicar a compulsão por  matar e  o prazer de causar dor, sem qualquer arrependimento? De onde vem tanta fúria?

As respostas estão no livro da editora DarkSide BooksSerialKillers, Anatomia do Mal, dossiê definitivo sobre o universo sombrio dos psicopatas mais perversos da história. Escrito por Harold Schechter – que pesquisa o tema há mais de três décadas e já publicou, inclusive, a biografia de Ed Gein, Deviant (1998) -, o livro é referência fundamental a todos os que se interessam pelo universo da investigação e da criminologia.

Pontuado por curiosidades macabras, dados científicos e fatos pouco conhecidos sobre a trajetória dos principais criminosos em série dos Estados Unidos, Serial Killer, Anatomia do Mal abrange desde a criação do termo serial killer no início do século XX até  o fascínio exercido por matadores seriais na cultura pop (cinema, música e literatura)".





24 outubro 2016

Dramas de concurseira, planos e VOLTEI!!



Já fiz um post de como eu estudava pra concurso aqui, mas a gente vai mudando conforme a necessidade e hoje eu estudo de outra maneira.

Faço cursinho on-line pelo Estratégia (não é publi) que tem as melhores apostilas que existe!! Sério, melhor cursinho!! O segundo é o CERS! Mas então, atualmente leio o material impresso e depois vejo vídeos, depois exercícios. Só estou estudando a noite, infelizmente.

O caso é que, o drama do título acima, me pegou porque prova após prova sem aprovação ou desempenho ruim é um balde de água gelada. Às vezes, meu planejamento de estudo é meio furado, mas com um tempo você aprende, isso é bom. Mas o tempo – eu chegando nos 30 – me passa uma insegurança que penso, não vou passar nunca, que é impossível, me pergunto se é isso que eu quero, é uma crise após outra.

Ansiedade é uma bruxa não é mesmo? Pois então, encaro um dia após o outro, coloco a música/HINO do Duran Duran, A Matter of Feeling e sigo estudando, afinal, não estou perdendo tempo. Enfim, tô aqui organizando a cabeça.

Planos e Voltei

Voltei porque não aguento ficar sem ler, sem escrever, esse blogomundo é meu e ficarei.
Criei um perfil no wattpad e comecei um livro, não sei o que fazer dele agora, preciso organizar as ideias e escrever mais capítulos, mas comecei e é o que importa.

Este blog, já mudei a foto do perfil, as fotos do blog serão mais pessoais, enfim, vou deixar ele mais a minha cara. Não que eu queira retorno pelo investimento hein, tô aqui nessa blogosfera há anos POR AMOR, nunca foi pensando em $$ claro que pode acontecer né hue... Mas, enfimm a participação dxs migxs vai me deixar felizaça!!! Aprecio muito mais isso.

Bom, eu preciso criar, assim como respirar, trabalhos metódicos me distraem e me entendiam, isso aqui me deixa feliz. Enfim, felicidades pra mim, pra vocês, estou de volta!!


xero xero gossip girl

24 maio 2016

Uma pausa by Me


Sabe aquele início de post que você já vai se explicando? Ai preguiça, nem gosto. Não tem nada a verrrrrr não vai embora, fica que vai ter... Nada mesmo, só euza.
 
O caso é que eu estou com um propósito agora, passar em concurso público, então este blog vai ficar parado até eu conseguir meu objetivo, que será esse ano hein #DEUS... Pois dito isso, queria dizer que uma vez na semana estarei visitando os bloguitos que amo e são vários, não vou ficar tão desligada até porque preciso de lazer né, de vez em quando vou precisar desanuviar a mentxi.

Bom, estarei mais no meu instagram Lea Yasnaya, e por lá vai rolar sorteio em parceria com a Nina, do Psicose da Nina, no dia 27 – só posso dizer que se você ama Alice no País das Maravilhas vai ficar apaixonadx!!! Não é exagero. Juro.

É isso migxs, vamos em frente.

18 maio 2016

♥ Uma música do Justin Bieber ♥


Love Yourself.
Bieber co-escreveu essa música com Ed Sheeran  e Benny Blanco – produtor. 
Imagine!!! Tinha que sair coisa boa daí!!

Essa música fala sobre relacionamento, um tipo que é bem comum se você namora a pessoa errada. Então, tem fatos super importantes na música que mostra esses detalhes malignos.

É uma resposta bem dada, convenhamos, até porque a pessoa com quem o cara da música namorou, ainda liga (se ame querida!!) sabe aqueles falecidos que insistem em ressuscitar? Justamente.

Ele diz na música que não queria escrever sobre, mas dada a situação acha melhor, de uma vez por todas, ela saber o que significou pra ele, e amigxs não é legal não.

Começando por essa parte que eu adoro cantar:

My mama don't like you and she likes everyone.
Minha mãe não gosta de você, e ela gosta de todo mundo.

HAHHHHHH tem previsão melhor do que quando sua mãe fala as verdades depois que conhece teu namorado (a)? Olha o aviso aê!!!

Então, ele vai e confessa que não gosta de admitir que estava errado, e diz essa coisa maravilhosa:

And I've been so caught up in my job, didn't see what's going on
E eu estive tão ocupado com meu trabalho que não via o que estava acontecendo

Percebe? Poxa, tão, tão a vida de certas pessoas que não quero dizer o nome. É normal a gente deixar a coisa ruim se prolongar, acontece. 

Bem, não tem parte mais divertida do que essa:

Cause if you like the way you look that much
Oh baby you should go and love fuck yourself
Pois se você gosta tanto de sua aparência
Ah querida, você deveria simplesmente amar a si mesma

Nooooossaaaaaaa que coisa linda!!! Eu realmente fico muito feliz cantando essa parte. Porque a pessoa acha que é a última coca-cola do deserto né. Melhore.

But when you told me that you hated my friends
The only problem was with you and not them
Quando você me disse que odiava meus amigos
O único problema era com você, não eles

For all the times that you made me feel small
Por todas as vezes que você me fez sentir pequeno

Carasssss o que falar disso?

Minha prudência quando conheço e/ou me interesso por alguém se dá exatamente pelas experiências das outras pessoas, minhas amigas também, claro; acho que não sofri por conta disso, tive mais decepções, mas muito antes de me envolver completamente. Sabe, não perder tempo, energia e oportunidade. 

***
Olha, até um tempo atrás eu não suportava a música do Justin, achava tudo clichê, até o Purpose ser lançado. Posso dizer que agora sou Belieber e não me envergonho disso.

Por que me envergonharia não é mesmo?
Citando a maravilhosa da Clara Browne:

“Pop é político, pop é triste, pop tem muita profundidade, pop é não uma forma de entretenimento esvaziada, mas sim uma forma de esvaziar sua cabeça de toda dor que você sente a todo instante da sua vida. A música pop é uma maneira de pegar seus problemas, encará-los de frente, mas sem se deixar abater por eles. É dizer: ei, esse cara com quem eu me relacionei é um babaca, mas tudo bem porque eu sou melhor sem ele!, ou então: ei, eu estou sozinha numa cidade que não conheço ninguém e estou morrendo de medo, mas vai ficar tudo bem porque eu consigo construir uma vida do zero., ou ainda dizer: eu trabalho duro pra cacete, sofro uma série de opressões sistêmicas, tô mal o tempo inteiro, mas vou me dar o direito de festejar a vida com minhas migas, porque isso tudo ainda é melhor do que não viver.

A música pop, antes de mais nada, é sobre querer se sentir bem mesmo quando seu mundo está desmoronando. Não tente implicar que isso significa refutar seus problemas, porque não é sobre isso. O pop quer simplesmente lidar com tudo de ruim de uma forma boa. A ideia é, no fim das contas, bem simples: apesar de todas as tretas, ainda podemos encarar o mundo com leveza. E, meus amigos, isso é poderoso demais”.

E é isso.

O Hino!


♥.


10 maio 2016

Um Caso Perdido - Colleen Hoover #Hopeless



Como YA eu já poderia esperar muitas situações, afinal a gente conhece o gênero né... O primeiro e curtíssimo capítulo do livro coloca na tua cabeça várias possibilidades, porque já começa com um conflito, então tu fica curiosx para saber em qual parte do livro aquela cena vai aparecer, e quando aparece migx... Sem comentários.

Esse livro foi meu primeiro contato com Colleen Hoover e ela já se tornou uma das minhas autoras favoritas. Esse livro derrubou todas as minhas interpretações antecipadas. Quando terminei, queria ler de novo.

Sky é uma adolescente de 17 anos que sempre estudou em casa, não tem acesso à internet e TV, vive com sua mãe Karen e tem uma melhor amiga chamada Six, com quem divide sua vida peculiar. Só que Sky decide cursar seu último período do colegial em uma Escola Pública, a mesma de sua amiga, para saber como é a experiência. 

A estória não é sobre o colégio, é sobre pessoas, é sobre lidar com sentimentos, é sobre amor, é sobre crescimento, aceitação, mudança, confusão, é dúvida, tem muita pressão com que essa garota tem que lidar, há cenas chocantes, há declarações emocionantes, é um livro maravilhoso.



Sky é marcada pela vida por motivos que ela desconhece, ela é forte, sincera, paga micão – amiga te entendo, exista porfa – é corajosa, e como!! É do tipo de pessoa que não é conformada, adoro isso!
Não tem mimimi. 
É apaixonante.

Então, é um romance, e por se tratar de romance vai aparecer àquele cara – romance hetero, no caso – que vai tocar o coração dessa garota, aí que vem o clichê, por que... Porque ele é meu tipo, o tipo de toda garota eu acho, muito atraente, sorriso de amolecer tuas pernas etc., mas não reclamo sabe, fui bem feliz com a descrição. Não falarei dele, porque soltaria spoiler. Cada particularidade dele te incita algum pensamento e não quero que vocês percebam o que se deve antes da hora.

Bem, a autora trata de assuntos delicados, não esperava jamais isso desse livro, me tocou profundamente. Tem uma revelação tão linda, mas tão linda sobre amizade, que fiquei tão feliz e de coração quentinho... Vocês precisam ler

Leitura fluida, capítulos na medida certa, diálogos certeiros, te aviso que não vai querer largar enquanto não acabar, é lindo na medida do possível, é uma estória crível, acontece, com outros detalhes, mas acontece.

Nada que eu escrever aqui irá fazer jus a esse livro (na realidade gosto de ser vaga por agora, não desejo que perca a experiência), caraaaaaa é imperdível, leiam.

04 maio 2016

Se acaso me quiseres saiba...


Tenho uma dúvida enorme sobre quem é o meu crush platônico oficial, passo uns bons 30 minutos pensando nisso. Comparando as belezas.
Eu tenho TOC, mania, frescura, chame como quiser, com algumas coisas, então: se tiver algo fora do lugar, pronto isso me incomoda... Portas abertas? Deus me livre!!


... Se alguém mastigar fazendo barulho, me deixa possessa, juro que tem risco de violência. Se eu estiver ao lado de uma pessoa no Cinema e ela estiver comendo pipoca, o ato dela levar a mão ao pacote e por na boca, me incomoda, a mesma coisa é se tiver uma pessoa mascando chiclete ao meu lado, mesmo não fazendo barulho ou abrindo a boca, me incomoda o movimento da mastigação.


Sim sou muito incomodada.

O barulho de colheres batendo no prato, alguém fazendo aquele barulhinho de limpeza dos dentes com a língua, me deixa LOUCA; e aquele sonzinho dos inferno que traz a ponta da caneta pra dentro ou pra fora?

Tem mais, e muito importante: NÃO ANDO DO LADO DIREITO NA RUA. Já tentei, mas não dá. Então já saiba...

Tenho dor de cabeça com tudo, se prender o cabelo em um rabo de cavalo, se ficar no computador muito tempo, se ficar sem comer, se acordar muito cedo, se acordar muito tarde, se me levantar bruscamente e se ficar muito tempo debaixo do sol.


Ahh sou viciada em creme para as mãos, passo sempre, às vezes, esqueço que passei e 10min depois passo de novo e por aí vai.

Eu tenho um tédio crônico, vale para coisas, pessoas, desejos, planos, de repente a paixão acaba e tchau. Isso é um problema, pois me confundo sobre o que é essencial, e talvez o que deveria ficar se perde pela minha falta de maturidade.

Não como chocolate de maneira normal, eu como por 5 pessoas durante um dia. Migo eu sou chocólatra entende? Só falta eu fazer uma carreirinha de açúcar e cheirar. Um dia cheguei a pensar que entraria em coma por conta de tanto chocolate que comi.

Meu estilo é bem esportivo e básico, não odeio salto alto, apenas me deixa desconfortável e não sei andar, dói meu tornozelo e etc., por isso tenho apenas um par deles.

Amo o dia, mas nasci para a noite, a claridade me incomoda. Óculos de Sol é mais que um acessório é sobrevivência. O que eu sou Bella? Diga. Alto!

Invento cenas mentalmente, algumas são bem engraçadas, então começo a rir.
Se tu erra meu nome, se tu me chama pelo nome errado, eu já faço careta e falo grosso.
Desculpa.

Paracetaloka

Gosto de ir ao cinema ou sair sozinha, me sentindo assim fora do meu mundo, vendo tudo diferente, sem soar familiar.

Se eu achar uma mulher linda eu olho sem parar, vai parecer lesbianismo ou psicopatia, mas eu olho, não consigo deixar de olhar. Mesma coisa se for alguma parte do corpo dela que eu quisesse ter do mesmo jeito, fico olhando e imaginando se fosse em mim e elogio. Pois é.

Gosto muito de falar sobre vida após a morte, eu falaria sobre isso um dia inteiro, mas as pessoas não gostam de ouvir que vão morrer...

E você? Me diz migx, alguma coisa ?
Layout personalizado por: