29 abril 2015

Incrível como as coisas acontecem...

Um belo dia você conhece o cara perfeito, se encanta e acha que ele é definitivamente o príncipe dos seus sonhos... Daí você acorda e percebe que o príncipe na realidade não passa de um cara normal cheio de defeitos, que no caso virou sapo por fingir ter amor por ti por mera conveniência.



Novela mexicana? Sim mores.

O nível de carência pode levar ao desespero, cês sabem né? – então, não se precipitar em achar alguém, acredito, seja a melhor compreensão que se deve ter, pois você acaba esbarrando com caras que não fazem o teu tipo ou vão contra teus princípios só porque tu não sabes ficar sozinha.

Acredito também que o que está reservado virá no tempo certo. O tempo, muito bem, ele sempre o senhor dos melhores momentos, das apostas mais certas, das atitudes corretas, quando você sabe esperar, esperar MAS  vivendo.

Vivendo: botando a cara na rua, conhecendo gente nova, saindo com os amigos, viajando, planejando viagens, lendo, dando espaço para novas possibilidades, dançando Happy, fazendo cursos, enfim né vai do teu estilo de vida.


 É tão óbvio que nem precisa falar sobre, no entanto, às vezes dá uma amnésia...

A verdade é só essa: o blá, blá, blá de sempre: desencane, se ame, se valorize – carência é a maior praga - afinal gatas nós merecemos muito mais.

Quando estiver assim, liga pra mim, a gente marca um shopping, mesmo sem fazer compras, vamos ao salão, vamos ao cinema, de repente chorar mesmo naqueles filmes água com açúcar, te ajudo a tirar fotos lindax pra postar no insta, e claro fia, vai orar, ficar mais perto de DEUS pra Ele afastar esses cafas que aparecem de vez em quando sempre na vida de uma mulher.

Enfim, tenho que fazer um adendo aqui. Sempre há indícios não é mesmo?
Lá no fundo tu sabes quando o cara não vale a pena, claro que têm os artistas que ganhariam vários Oscar por melhor fingidor around the world... Segue tua intuição, ela não falha, não ignore a implicância da tua mãe visse?!

Enfim, aproveite a vida ao máximo, DEUS lhe concede todos os dias a chance de fazer uma nova história. 

Contribuição BFF Lu

27 abril 2015

Por meio desta, eu confesso...

Pode ser que alguém me ache insensível, que não percebo as coisas ou que seja mal-agradecida. O fato é que, eu sinto minhas dores e levo apenas comigo, porque de toda maneira eu sei que quem pode resolvê-las, sou eu.



Eu percebo tudo ao meu redor, eu tenho uma intuição infalível, quando não a uso me ferro legalzinho. Mas eu vejo tudo e fico com as resoluções para mim, quem sabe um dia eu não faça algo sobre. Do momento, acho que nada pode interferir no curso da história da minha vida se eu ficar calada.



Às vezes, o silêncio é torturante e não adianta, eu sei que é hora de falar e eu falo ou faço. Eu apenas respeito meu momento – mais uma vez. Nada como o momento certo para ter a atitude, detesto me precipitar e não ser prudente. Posso até ignorar mil vezes certas coisas que não tem como eu modificar, eu apenas espero e caio fora.

Se não agradeço ou agradeci é pelo simples fato de que me saio melhor frente às críticas, fico mais forte, do que à favores e elogios, onde me sinto exposta e tenho que me expressar; não que eu ache isso fraqueza, é apenas uma maneira de dizer que eu me importo e eu não faço às vezes por uma simples razão: TIMIDEZ.


 Bem, no mais é só isso pessoal, escrever é meu treino.

17 abril 2015

Os caras do meu passado e porque nenhum deles foi o certo.

Imaturos

Parece que já vêm com o nome carente estampado na testa.
Posso até estar sendo insensível, mas cara esse tipo de garoto nunca se dá conta do quanto passa dos limites, já tem o NÂO e ainda insiste alimentando sua própria fantasia. Eu percebo logo pela conversa, a idade mental da criatura.
Freud explica.

Medíocres

Do ponto de vista do crescimento pessoal.
Suas ambições são completamente limitadas. Não se esforçam para ter mais, ser mais feliz. Cada um com seu conceito de felicidade, cada cabeça uma sentença, então já me conhecendo e sabendo que gosto de voar bem alto, nem perco o meu tempo.

Descompromissados

Vivem apenas o hoje e não gostam de dar satisfação.
Eu acredito muito que você tem que viver o presente, mas pensando no futuro, tudo na medida certa. Sei que não existem garantias no amor, no entanto confiança e lealdade são fundamentais.

Galinha

Preciso nem discorrer um texto né hahaha esses sempre aparecem e eu tenho que repetir um mesmo discurso: cai fora. Agora preciso dizer uma coisa: se tornam ótimos amigos!!!!



10 abril 2015

Mimimi Aguado de uma Sexta- feira On Line

Respondidas as perguntas “de onde eu vim?” “quem eu sou?” “para onde eu vou?”... As interrogações apenas estavam começando... Agora é... Como?


O que posso fazer se sou, em essência, feita de emoções? Moldada e cultivada todos os dias por esse combustível?

Os sonhos são os meus motores propulsores. Muito sério isso. Minha cabeça divaga e eu fico aqui com meus monólogos esquisitos.

Algumas pessoas me perguntam se é sobre amor e eu respondo “claro, né” tudo é sobre amor. Meu amor próprio, meu amor pela pessoa que está mais perto de mim e que quero que consequentemente se sinta amada  - minha mãe... Ela me diz todos os dias os defeitos e as atitudes que quer que eu melhore, então é viável que eu tente ser o ser humano que ela espera. Porque simplesmente isso me faz feliz.

E mais amor por quem me rodeia. Afinal uma pessoa cheia de amor compartilha, transborda, atrai, contagia...




E o amor romântico?
Esse eu não posso fazer nada, está fora do meu controle.
Então, só espero... Vivendo.

Ainda sobre minha mãe, que fique claro, não estou falando de seguir os planos que ela sonha pra mim, que tipo são todos enraizados, previsíveis e estáveis. Meu coração Tom Sawyer e Holden Caulfield sempre se manifesta todos os dias insatisfeitos pra que eu não siga o coração de outra pessoa senão o meu.

Mas de uma coisa eu tenho sorte, eu me motivo tão fácil quanto eu fico com fome. Porém, se por acaso eu começar a esmorecer, dou uma choradinha ali, ouço uma música lá e saio de casa, pronto, resolvido.

As urgências internas e a vida navegam em direções inversamente proporcionais e o resultado disso: a ansiedade, só corrói. Claro, eu percebo quando ela está chegando e reflito nesse versículo:

Não andeis, pois, ansiosos pelo dia de amanhã, porque o dia de amanhã a si mesmo trará seu cuidado; ao dia bastam os seus próprios males.
 Mateus 6:34

Essa palavra me diz que todos os dias são cheios das minhas emoções e ainda existe o mundo lá fora onde vivo e suas consequências sobre mim, apesar de me motivar, me mostra que todo dia tem sua pequena guerra a descortinar.

Tento pensar de forma bem simples...
Eu só preciso seguir meus instintos, eles estão sempre certos.
Seguir a razão, porque ela é prudente.
Ouvir o coração, pois ele torna as minhas atitudes mais sensíveis.
  

06 abril 2015

[Resenha] Minha Vida Fora de Série – 1° e 2° Temporadas

Quando vou fazer resenha de algum livro da Paula Pimenta tenho que me policiar para não parecer muito patética, o que é difícil, dificílimo!

Neste livro vamos conhecer a história da Priscila, uma personagem secundária do livro da mesma autora chamado Fazendo o Meu Filme – que eu morri de saudades só de lembrar, sem falar que a Fani aparece umas três ou quatro vezes no livro - inclusive eu fiz uma declaração de amor aqui haha


No primeiro volume a Pri tem apenas 13 anos, confesso que ia achar meio bobinho por conta da idade, mas a Pri é muito longe de ser a chorona da Fani [de Fazendo meu Filme ] só um pouco dramática, dá umas viajadas legais [até parece eu], mas não é nada tímida, gosta de falar em público, ama desesperadamente animais e não pode ver um gatinho de duas pernas hihi

Ela morava em São Paulo, no entanto após o divórcio dos pais foi morar, não muito satisfeita, com sua mãe e seu pequeno zoológico em Belo Horizonte. Pronto, vizinhança nova, colégio novo, novos amigos, uma nova realidade que ela não está a fim de enfrentar, porém a vida surpreende.

Falei no instagram que esse primeiro livro poderia ser muito bem um manual da paquera, porque é exatamente um dos focos - e realmente é bem eficiente, além de mostrar o exemplo de relacionamento dela com a mãe – achei bonito, sua desenvoltura e talentos, sua percepção do que é o amor, o relacionamento com as amigas [as fofocas] e claro, em cada capítulo um diálogo de algum seriado – adoro isso.

Só tem uma parte que me deu raiva, tipo o livro tava todo sendo perfeito aí veio essa parte e me esfriou tanto que quase larguei a leitura por ter achado a situação super clichê, achei desnecessária, poderia ter sido outro tipo de coisa, algo menos Malhação, foi um banho de água fria afff, entretanto como é a Paula Pimenta, resolvi continuar e não me arrependi de jeito nenhum porque tudo se resolve no tempo certo.

Na segunda parte a Pri está com 16 anos uhuhu [acho que ainda tenho mentalidade de adolescente, deve ser isso] neste livro ela está mais independente, o relacionamento com os amigos mais maduro, na verdade os problemas são um pouco mais sérios, ela está mais ousada, o que eu gostei, claro que tem conflitos amorosos – e muita fofura [sabe meu coração não aguenta tanto amor] além do que eu ri mais nesse livro.

Sabe o que acontece com os livros da Paula Pimenta? Eu fico completamente apaixonada e tão triste que eles não existem, tão, mas tão triste!!!!! Por quê, Deusss?

E para minha alegria.... o terceiro vem em Junho. Olha a capa!!! Tô infartando, surtando, pirando, em prantos... Por favor, mais duas temporadas, no mínimo!!!


 Me socorre Senhorrrrrrrrrr

 Fotos: Mel - Minha - Paulinha